Inovação Aberta e a Singularidade Tecnológica

img_ed31_suite

Hélio Lemes Costa Jr.

Singularidade tecnológica é o termo, usado por Raymond Kurzweil, para definir a previsão de que, em poucas décadas, homem e tecnologia estarão tão integrados e indissociáveis, que a presença da evolução tecnológica simplesmente não será mais notada. Organismos cibernéticos, os ciborgues, serão comuns e as tecnologias não serão usadas apenas para reparar deficiências físicas dos humanos, mas para ampliar tanto sua capacidade física quanto seus sentidos, memória e raciocínio.

A primeira vista, parece um cenário de ficção científica, porém ao se observar as curvas de evolução de determinados ramos da ciência e de suas aplicações tecnológicas ao longo das últimas cinco décadas, percebe-se que tal evolução não obedece a um padrão de crescimento linear, mas exponencial.

Isso significa que, diferentemente do aumento da temperatura, do inverno para o verão, que tem um crescimento linear, o crescimento da capacidade dos computadores e das redes, as descobertas da nanotecnologia e da engenharia genética, se dão em saltos exponenciais, como o que observamos no crescimento do número de usuários da Web nos últimos 20 anos, por exemplo.

O crescimento da capacidade computacional, o aperfeiçoamento da robótica, os avanços da neurociência levarão a uma redução de custo e, consequentemente, popularização de recursos avançados de auxílio mecânico e cognitivo (hardware e software) às capacidades humanas.

fotos_HelioLemes

Hélio Lemes Costa Jr. – Professor, escritor, pesquisador e geek. Investiga sobre tecnologia, inovação e gente. Professor adjunto do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas, no campus de Varginha, MG. Doutor e mestre em Engenharia de Produção, graduado em Computação e Administração.

É interessante observar que as perspectivas analisadas e propostas por Kurzweil, e outros cientistas que apoiam o conceito de Singularidade, não seriam possíveis, se dependessem de apenas uma empresa, um pesquisador, ou mesmo um grupo limitado de pesquisadores. São muitas as áreas do conhecimento envolvidas no processo de criação dos ciborgues.

As livres combinações de descobertas e fluxo corrente de informações entre pesquisadores e grupos tem acelerado o processo. Pesquisadores brasileiros, como Miguel Nicolelis, trabalham junto a uma ampla e diversa comunidade, que inclui cientistas, empresas, governos e ONGs, para levar uma criança paraplégica a dar o pontapé inicial da Copa FIFA 2014.

Inovações abertas e incrementais nas áreas de Inteligência Artificial, Nanotecnologia, Bioengenharia, dentre outras, para a complementariedade das habilidades do ser humano serão capazes de gerar um futuro onde as referências de idade, saúde e bem estar podem ser radicalmente alteradas e a quebra de tais paradigmas pode dar início a um novo homem.

Da mesma forma, novos paradigmas organizacionais também estão sendo alcançados através da inovação aberta, onde instituições públicas, empresas privadas e indivíduos se rearranjam e se complementam em competências e iniciativas, que, em um futuro não muito distante, dará origem a uma nova empresa, integrada equilibradamente pela tecnologia e pelo humano, assim como o ciborgue.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>